tel: (11) 5506.1217 / (11) 3331.6064

Perguntas Frequentes

Principais Informações sobre a DPOC

  • A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma doença do progressiva e debilitante que acomete os pulmões e interfere na respiração normal. É caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo e inflamação dos pulmões diante de gases e partículas nocivas.
  • A DPOC atinge pessoas com mais de 40 anos, mas eventualmente pode acometer pessoas mais jovens.
  • Cerca de 210 milhões de pessoas no mundo têm DPOC e a estimativa é que a doença se torne a terceira principal causa de morte por volta de 2020.
  • No Brasil, a DPOC atinge mais de 7 milhões de pessoas. Somente 12% dos pacientes são diagnosticados e desses apenas 18% recebem tratamento.
  • O principal fator de risco para a DPOC é o tabagismo. Os sintomas principais são falta de ar, que se manifesta incialmente aos grandes esforços mas que se torna progressiva, atrapalhando as atividades diárias. A tosse e produção de expectoração, principalmente pela manhã, também são queixas comuns. A DPOC prejudica a qualidade de vida dos pacientes, já que as simples atividades de rotina se tornam cada vez mais difíceis. Por exemplo, o paciente pode ter dificuldade para tomar banho em pé, pentear os cabelos, lavar a louça, subir poucos lances de escada, se alimentar e até mesmo andar pela casa.
  • Apesar de não conhecermos a cura da DPOC, o tratamento melhora muito os sintomas e a qualidade de vida do paciente. É preciso uma abordagem multidisciplinar (médico, nutricionista, fisioterapeuta, psicológica) no tratamento e para que ocorra diminuição dos prejuízos pessoais, sociais e econômicos do paciente com DPOC.
  • O tratamento deve começar com uma mudança do estilo de vida, principalmente deixando de fumar e passando a fazer uso de medicamentos broncodilatores para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Perguntas Frequentes

  1. O que é DPOC e quais as suas consequências?
  2. Qual a incidência da doença no Brasil e no mundo?
  3. Qual é o impacto econômico da DPOC?
  4. O que causa a DPOC?
  5. Quais são os sintomas da DPOC?
  6. Como a DPOC se desenvolve?
  7. Como é classificada a DPOC?
  8. Como é feito o diagnóstico da DPOC?
  9. Há cura para a DPOC?
  10. Qual é o objetivo do tratamento da DPOC?
  11. Quais tratamentos não farmacológicos estão disponíveis?
  12. Quais tratamentos farmacológicos estão disponíveis?
  13. Qual é o futuro do gerenciamento da DPOC em relação aos impactos pessoais, sociais e econômicos ao paciente?
  14. O que é DPOC estável?
  15. O que é agudização ou exacerbação da DPOC?
  16. Quais as causas da exacerbação da DPOC?
  17. Qual o impacto das exacerbações na evolução da DPOC?
  18. Qual o tratamento para a exacerbação da DPOC?
  19. Todo fumante desenvolve DPOC?
  20. O que é bronquite crônica?
  21. O que é enfisema pulmonar?
  22. Qual a diferença entre DPOC e asma?
  23. A quem os pacientes podem buscar apoio?
  24. Que tipo de apoio a ABP DPOC oferece?
  25. Qual tipo de tratamento gratuito o paciente com DPOC tem direito?
  26. Como eu consigo liberação de um carro de um paciente com DPOC em São Paulo?
  27. Como eu me inscrevo para fazer parte da Associação?
  28. Eu preciso pagar alguma taxa ou mensalidade?
  29. Como eu faço para entrar em contato com a Associação?

 

 

1. O que é DPOC e quais as suas consequências?

A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma doença do pulmão progressiva e debilitante que interfere na respiração normal e é caracterizada pela obstrução do fluxo aéreo e inflamação dos pulmões diante de gases e partículas nocivas. A DPOC pode ser descrita como uma doença “guarda-chuva", uma vez que contempla a bronquite crônica e o enfisema pulmonar. Em pessoas com bronquite crônica, as vias aéreas estão estreitas, tensas e muitas vezes cheias de muco, resultando na redução da passagem do ar. No enfisema pulmonar, os alvéolos (sacos aéreas) do pulmão estão danificados e sobrecarregados, o que resulta em aprisionamento do ar nos pulmões, limitando o espaço para a troca de ar. A inflamação que ocorre nos pulmões acontece também em outras partes do organismo como por exemplo o coração, e por isso atualmente a DPOC também é considerada uma doença sistêmica. A DPOC prejudica a qualidade de vida dos pacientes, uma vez que a realização de atividades simples da vida diária se torna cada vez mais difícil.

voltar

 

 

2. Qual a incidência da doença no Brasil e no mundo?

Os dados disponíveis atualmente subestimam a prevalência total da DPOC, já que a doença geralmente não é diagnosticada até que os sintomas estejam clinicamente aparentes ou até mesmo em estágio avançado. No Brasil, estima-se que a doença atinja mais de 7 milhões de pessoas. Somente 12% dos pacientes são diagnosticados e, desses, apenas 18% recebem tratamento. Já no cenário mundial, a estimativa é de que aproximadamente 210 milhões de pessoas tenham DPOC e a previsão é que a doença se torne a terceira principal causa de morte por volta de 2020.

voltar

 

 

3. Qual é o impacto econômico da DPOC?

A DPOC é uma das principais causas de mortalidade e morbidade em todo o mundo. O impacto econômico da doença é grande e continua a crescer com o envelhecimento da população . Isso ocorre devido às despesas diretas (valor dos recursos de saúde para o diagnóstico e tratamento) e indiretas (faltas no trabalho, mortalidade prematura, necessidade de cuidador). A DPOC é uma das principais e crescentes causas de perda de produtividade . Por exemplo, na União Européia (UE) a doença é a principal causa de dias perdidos de trabalho, com perdas de produtividade total de € 28.5 bilhões anualmente .

voltar

 

 

4. O que causa a DPOC?

O tabagismo, incluindo o passivo, é o fator de risco mais comum para a DPOC. Outros fatores que contribuem para o desenvolvimento da doença são a inalação de poeiras e produtos químicos em fábricas ou ambientes profissionais similares, poluição do ar, desenvolvimento pulmonar prejudicado e fatores genéticos.

voltar

 

 

5. Quais são os sintomas da DPOC?

A DPOC deve ser considerada em qualquer paciente que apresente falta de ar regular, tosse crônica ou produção de muco e/ ou uma história de exposição a fatores de risco para a doença, como histórico de tabagismo. Com a progressão da DPOC, os pacientes frequentemente experimentam limitações para a realização de atividades da vida diária, como subir escadas.

voltar

 

 

6. Como a DPOC se desenvolve?

A DPOC se desenvolve após a exposição prolongada dos brônquios condutos que levam o ar para dentro dos pulmões) às substâncias tóxicas contidas na fumaça inalada, prioritariamente, do cigarro. Como consequência dessa exposição, ocorrem a inflamação brônquica, caracterizada pelo edema (inchaço) da parede brônquica, o aumento da produção de muco (catarro) por parte de glândulas aí localizadas e a destruição alveolar.

voltar

 

 

7. Como é classificada a DPOC?

A Iniciativa Global para a DPOC (GOLD) classifica a doença em quatro categorias

GRAU A: limitação do fluxo aéreo leve (maior que 50%), tosse crônica e expectoração estão frequentemente presentes. Nesta fase, o indivíduo pode ignorar que sua função pulmonar está anormal.

GRAU B: limitação do fluxo aéreo leve (maior que 50%), mas com aumento da falta de ar diante de esforços, tosse e expectoração mais frequentes podem estar presentes. Esta é tipicamente a fase em que os pacientes procuram um médico.

GRAU C: perda da função pulmonar (menor que 50% do esperado), ainda sem muitos sintomas

GRAU D: perda da função pulmonar (menor que 50% do esperado), mas com maior dificuldade em respirar, diminuição da capacidade em realizar exercícios e tarefas da vida diária, fadiga e exacerbações repetidas que quase sempre têm impactam a qualidade de vida do paciente.

voltar

 

 

8. Como é feito o diagnóstico da DPOC?

Como os sintomas podem ser erroneamente atribuídos ao envelhecimento ou a outras doenças respiratórias, como asma, a DPOC não é identificada em cerca de 50% dos casos e é diagnosticada erroneamente em cerca de 23% dos casos . É importante que seja feita a distinção entre a asma e a DPOC, mesmo em pacientes mais velhos, pois o controle de cada doença contempla diferentes estratégias. A DPOC é confirmada por meio de um teste de diagnóstico simples chamado "espirometria", que mede a quantidade de ar (volume) que uma pessoa pode inspirar e expirar e a rapidez com a qual o ar circular para dentro e fora do pulmão. Outros exames utilizados para auxiliar no diagnóstico da DPOC e eliminar a presença de outros distúrbios incluem radiografia de tórax, tomografia computadorizada e avaliação dos gases sangüíneos. A avaliação da gravidade da DPOC depende de uma série de fatores clínicos e de qualidade de vida, que também devem ser considerados. 

voltar

 

 

9. Há cura para a DPOC? 

A DPOC não tem cura, mas o tratamento melhora muito a vida dos pacientes.

voltar

 

 

10. Qual é o objetivo do tratamento da DPOC?

Como não há atualmente cura para a DPOC, o tratamento da doença contempla uma abordagem de longo prazo e sistemática. Uma boa abordagem utiliza a redução do risco e o tratamento não farmacológico e farmacológico para prevenir e controlar os sintomas, melhorar as limitações da realização de atividades diárias e reduzir as complicações. O tratamento deve ser adaptado para cada paciente, já que a DPOC é uma doença complexa que tem sua gravidade influenciada por fatores que incluem comorbidades (outras doenças que o paciente apresente). Terapias de nova geração com benefícios comprovados ao tratamento incluem a conveniência de rápido início de ação e dosagem única diária.

voltar

 

 

11. Quais tratamentos não farmacológicos estão disponíveis?

O tratamento não farmacológico inclui a redução dos fatores de risco, incluindo o combate ao tabagismo e redução ou eliminação da exposição à poeira e poluentes atmosféricos. Além disso, os pacientes podem ser submetidos à reabilitação pulmonar, incluindo o exercício físico e aconselhamento nutricional. Procedimentos cirúrgicos também podem ser utilizados, como a cirurgia redutora de volume pulmonar (remoção de áreas gravemente doente dos pulmões para expansão das áreas saudáveis do pulmão), ou o transplante. 

voltar

 

 

12. Quais tratamentos farmacológicos estão disponíveis?

A base do tratamento farmacológico de DPOC são os broncodilatadores. A via inalatória é sempre preferencial. Alguns pacientes podem usar corticosteróides inalados. Outras drogas empregadas no combate a inflamação do pulmão também podem melhorar as crises. Somente junto a seu médico a melhor escolha medicamentosa deve ser efetuada. A auto medicação nunca é recomendada.

voltar

 

 

13. Qual é o futuro do gerenciamento da DPOC em relação aos impactos pessoais, sociais e econômicos ao paciente?

Com a evolução do entendimento dos mecanismos da doença, torna-se claro que diferentes abordagens de tratamento são necessárias para ajudar a gerenciar os impactos pessoal, social e econômico da doença para o paciente. O tratamento deve ser individualizado levando-se em conta o perfil clínico e as características dos medicamentos. Além disso, para doenças crônicas como a DPOC, a adesão ao tratamento melhora na medida em que os regimes de tratamento são simplificados, por exemplo, com redução da frequência de dosagem . 

voltar

 

 

14. O que é DPOC estável?

A DPOC é uma doença com evolução progressiva e com o passar do tempo seus sintomas tornam-se piores. A velocidade da progressão é variável em cada paciente. No período em que a intensidade dos sintomas como tosse, produção de catarro e falta de ar permanece a mesma por um determinado período de tempo, pode-se afirmar que a DPOC está estável.

voltar

 

 

15. O que é agudização ou exacerbação da DPOC?

O portador da DPOC pode apresentar uma piora súbita dos sintomas com aumento da tosse, da quantidade de escarro - que se torna amarelado ou esverdeado -, e surgimento de falta de ar ou piora da falta de ar habitual. Esse quadro, conhecido pelos pacientes como crise, é chamado de exacerbação ou agudização da DPOC.

voltar

 

 

16. Quais as causas da exacerbação da DPOC?

A principal causa das exacerbações ou agudizações da DPOC são as infecções respiratórias, provocadas por vírus ou bactérias. Outras causas são: embolia pulmonar, pneumotórax (presença de ar no espaço pleural), distúrbios cardiológicos e o uso de medicações que piorem a obstrução dos brônquios (exemplo: propranolol).

voltar

 

 

17. Qual o impacto das exacerbações na evolução da DPOC?

A exacerbação da DPOC piora a qualidade de vida do paciente e acelera a evolução da doença. Por isso, um dos principais objetivos do tratamento da DPOC é a redução do número de exacerbações da doença. 

voltar

 

 

18. Qual o tratamento para a exacerbação da DPOC?

O médico irá definir, com base na gravidade da doença e na intensidade da exacerbação, qual o melhor tratamento para cada caso (antibióticos, corticóides, oxigênio, broncodilatadores) e o local adequado para administração do mesmo (hospital ou no domicílio). No entanto, a medicação broncodilatadora sempre será empregada.

voltar

 

 

19. Todo fumante desenvolve DPOC?

Geralmente, entre 15% e 20% dos fumantes irão desenvolver a DPOC. Os fatores relacionados ao desenvolvimento da doença incluem, além da predisposição genética, a quantidade, a duração e o tipo de tabagismo. Os indivíduos que iniciaram o hábito de fumar com idade mais precoce, que fumaram por tempo mais prolongado e em maior quantidade (média de um maço por dia durante 20 anos, ou correspondente) têm maior possibilidade de ter a doença. O consumo do tabaco em qualquer apresentação é prejudicial, e tanto o consumo do cigarro industrializado, como o cigarro de palha, charuto ou cachimbo podem causar a DPOC.

voltar

 

 

20. O que é bronquite crônica?

A bronquite crônica corresponde à inflamação brônquica existente na DPOC. Essa inflamação provoca a redução do diâmetro dos brônquios (condutos que levam o ar para dentro dos pulmões), gerando dificuldade na condução do ar. A primeira conseqüência desse processo é a dificuldade respiratória, representada por cansaço mais fácil na atividade física. Também ocorre aumento das estruturas produtoras de muco levando à tosse diária com catarro. É a tosse com catarro diária, mais freqüentemente pela manhã a principal característica da DPOC.

voltar

 

 

21. O que é enfisema pulmonar?

O enfisema pulmonar corresponde à destruição dos alvéolos, estruturas pulmonares responsáveis pela oxigenação do sangue e eliminação do gás carbônico. A destruição dos alvéolos prejudica as trocas gasosas (absorção do oxigênio e eliminação do gás carbônico), originando conseqüências como esforço respiratório aumentado durante o exercício e hipoxemia, ou seja, baixa de oxigênio no sangue, e eventualmente hipercapnia, que corresponde à elevação do gás carbônico sanguíneo.

voltar

 

 

22. Qual a diferença entre DPOC e asma? 

A asma e a DPOC são doenças distintas, embora ambas sejam doenças pulmonares crônicas, acompanhadas de inflamação dos brônquios e com sintomas semelhantes. A asma geralmente surge na infância ou adolescência, tem como fator de risco a exposição aos alérgenos, sua evolução é intermitente e suas alterações inflamatórias são reversíveis com o tratamento. Já a DPOC pode ter início a partir dos 40 anos, tem como fator de risco principal o tabagismo, sua evolução é progressiva e suas consequências no pulmão não podem ser curadas, apenas pode ter suas evolução postergada.

voltar

 

 

23. A quem os pacientes podem buscar apoio?

Os pacientes no Brasil contam com o apoio da Associação Brasileira de Portadores de DPOC (ABP DPOC) que é uma entidade sem fins lucrativos que visa colaborar na promoção da qualidade de vida dos pacientes.

voltar

 

 

24. Que tipo de apoio a ABP DPOC oferece?

Nós apoiamos e fomentamos serviços e técnicas existentes para prevenir e combater o tabagismo; Lutamos pela consolidação de políticas públicas de prevenção; Divulgamos a melhor forma de acompanhamento e apoio ao portador de DPOC; Reivindicamos o tratamento das doenças pulmonares com as mais avançadas técnicas existentes junto aos órgãos governamentais de saúde, clínica ou serviços particulares disponíveis ou em formação.

voltar

 

 

25. Qual tipo de tratamento gratuito o paciente com DPOC tem direito?

Atualmente está disponível na rede pública de alguns estados, o tratamento farmacológico (medicamentos gratuitos), oxigenoterapia domiciliar e Reabilitação Pulmonar.

voltar

 

 

26. Como eu consigo liberação de um carro de um paciente com DPOC em São Paulo?

A DPOC não dá nenhum beneficio para a aquisição de automóveis, o paciente pode retirar apenas a licença de rodízios.

voltar

 

 

27. Como eu me inscrevo para fazer parte da Associação?

Para se associar basta preencher um formulário que está disponível em nosso site na área de cadastro, com seus dados pessoais.

voltar

 

 

28. Eu preciso pagar alguma taxa ou mensalidade?

Não precisa pagar taxa alguma. A filiação junto a Associação é totalmente gratuita.

voltar

 

 

29. Como eu faço para entrar em contato com a Associação?

Para entrar em contato conosco basta acessar nosso formulário de contato ou nos enviar um e-mail para dpoc@dpoc.org.br ou nos telefonar para (11) 5506-1217 (11) 3331-6064 ou ainda nos fazer uma visita pessoalmente.
Nosso novo endereço é Rua Vinte e Quatro de Maio, 35, 15º andar, conj. 1506, bairro Centro, São Paulo – SP - CEP 01041-001.
Teremos o maior prazer em receber sua visita.

voltar

 

i World Health Organization. Factsheet No 315 Chronic obstructive pulmonary disease (COPD). http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs315/en/index.html (accessed 13 November 2008).
ii Mathers C, Loncar D. Projections of global mortality and burden of disease from 2002 to 2030. PLoS Medicine 2006, e442.

teste dpoc
faq
Associação Brasileira de Portadores de DPOC ©2017 - Bitnick Web Design